17 de abril de 2019

Venda de caminhões tem previsão de alta

Segundo a Anfavea, serão quase 88 mil novas unidades que representam um crescimento de 15%

  Após um longo período de queda – que aconteceu de 2013 a 2017 – finalmente o mercado de caminhões encerra 2018 com alta de 47%. Os dados são da ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), que aponta para um aumento ainda maior em 2019, que deve chegar a 15%, volume quase 12% maior que o total feito no ano passado. Isso significa algo em torno de 88 mil unidades. De acordo com o vice-presidente da Anfavea, Luiz Carlos de Moraes, a projeção das fabricantes está baseada na inflação sob controle e no PIB mais robusto que, para a entidade, deve fechar 2019 com alta entre 2,5% e 3%. Além disso, o aumento nas vendas foi estimulado pelos seguintes fatores:
    • A queda acentuada na inadimplência do setor,
 
    • O aumento expressivo da participação dos bancos nos financiamentos,
 
    • O crescimento dos índices de confiança dos frotistas e transportadores.
  “O mercado voltou a apresentar crescimento, e mais de 45% do total das vendas de 2018 são de caminhões da categoria pesada. E este movimento continua sendo impulsionado pelas atividades ligadas ao agronegócio, como o transporte de grãos e madeireiras, entre outros”, afirma Moraes. Ainda de acordo com a Anfavea, as exportações também crescerão em 2019, mas de forma mais reduzida: a previsão de alta é de 3,7%, algo como 35 mil caminhões e ônibus. Ainda assim, essa é uma boa notícia para a indústria, uma vez que as exportações de 2018 tiveram queda de quase 10% contra 2017. Com o aumento da produção de caminhões, fabricantes como a Volkswagen, Volvo e Mercedes-Benz, precisaram contratar novos funcionários aumentando, assim, o número de vagas na área da montagem. Só a Mercedes contratou 600 trabalhadores para a planta de São Bernardo do Campo.